Bonitinha Mas Ordinária ou Otto Lara Rezende – O Mineiro Só É Solidário no Câncer

Nota:8

No Rio de Janeiro dos anos 80, Maria Cecília, a filha virgem de dezessete anos de idade do rico e poderoso Dr. Werneck, é estuprada por cinco homens negros quando seu carro tem um problema no motor em um local isolado.

Sua família da alta-sociedade decide que Maria Cecília precisa se casar e Werneck designa seu gerente Peixoto para encontrar um noivo entre os empregados de sua empresa.

Peixoto seleciona o mineiro Edgard, um homem simples e solteiro, e oferece a ele um substancial aumento salarial e uma grande quantia para ele se casar com Maria Cecília.

Entretanto, Edgard é apaixonado em sua vizinha Ritinha e tem princípios morais. Edgard fica dividido entre a cobiça e seus valores morais enquanto são feitas revelações sobre Ritinha, Maria Cecília e Peixoto, terminando em uma tragédia.

Eu acabei de assistir esta versão de “Bonitinha Mas Ordinária ou Otto Lara Rezende” talvez pela sétima vez, e novamente eu achei uma magnífica transposição de uma peça erótica e amoral de Nelson Rodrigues, um dos nossos maiores dramaturgos, para o cinema.

Na verdade, esta é a segunda transposição para o cinema desta peça (a primeira é de 1963, e eu nunca encontrei este filme para alugar, comprar ou baixar).

Uma pessoa com pouco conhecimento da obra de Nelson Rodrigues pode achar que este filme é decadente ou um lixo. Entretanto, em 1981 vivíamos em uma ditadura militar e uma das válvulas de alívio do regime no cinema nacional era o cinema erótico.

Sendo um país católico, uma prática era da mulher se casar virgem, e há várias referências a este procedimento no filme. Mais ainda, era prática hipócrita  comum casar a filha rapidamente após a perda da virgindade ou em casos de gravidez. Portanto, a situação da família de Werneck tentando casar Maria Cecília o mais rápido possível era algo usual.

O escritor Nelson Rodrigues tinha também uma visão amoral da Igreja, da família e da humanidade. Em sua visão, todas as famílias são ou ficam podres; a classe média é decadente e falsa; todas as mulheres são ordinárias e gostam de apanhar; o ser humano e a Igreja são corruptos e hipócritas. Tudo isso é sintetizado na frase “O mineiro só é solidário no câncer”, que significa que o homem não presta e só se solidariza na desgraça.

Portanto, “Bonitinha Mas Ordinária ou Otto Lara Rezende” é uma obra-prima do mundo de Nelson Rodrigues. Este filme fez muito sucesso em 1981, projetando o nome da iniciante Lucélia Santos no cenário nacional com sua impressionante atuação.

Para mim, o rico universo de Nelson Rodrigues é comparável ao ultrajante universo de Pedro Almodóvar ou ao bizarro universo de David Lynch. Portanto, se o espectador não estiver familiarizado com o universo de Nelson Rodrigues, possivelmente ele não entenderá e apreciará a história.

Por último, eu lamento que este filme só tenha sido lançado em VHS pela “Isto É” com uma pavorosa gravação em LP. Hoje eu revi este filme em uma gravação que eu fiz do Canal Brasil na semana passada.

Para maiores detalhes deste filme, ver o link e o trailer abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0132891/reviews-2

Explore posts in the same categories: Filmes, Televisão

Tags: , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

One Comment em “Bonitinha Mas Ordinária ou Otto Lara Rezende – O Mineiro Só É Solidário no Câncer”

  1. Mauro Guedes Says:

    Foi uns dos melhires filmes nacionais que assistir em toda minha vida.Lucélia Santos parabens lindona por este maravilhoso trabalho!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: