Posted tagged ‘Cinema Brasileiro’

À Meia-Noite Levarei Sua Alma – Grande Cult-Movie de Terror

23 de junho de 2011

(****)

Em uma pequena cidade em algum lugar no Brasil, o asqueroso e violento coveiro Zé do Caixão é temido pelos moradores. Zé do Caixão vive com Lenita, que não pode ter filhos. Obcecado para ter um filho, Zé do Caixão assedia Terezinha de Oliveira, que é a noiva de seu amigo Antônio de Andrade, e mata Lenita com uma aranha para simular um acidente. Depois ele afoga Antônio e estupra Terezinha esperando ter um bebê com ela. Terezinha comete suicídio, mas não acusa Zé do Caixão em sua carta de despedida.

Quando Dr. Rodolfo decide pedir uma nova autópsia de Antônio, Zé do Caixão o queima até a morte. O inspetor Barretos não consegue provar que Zé do Caixão é o assassino, mas no Dia dos Mortos, a cigana local o avisa que os mortos levarão sua alma para o inferno.

À Meia-Noite Levarei Sua Alma” é um grande cult-movie de terror do cultuado diretor José Mojica Marins, também conhecido como Zé do Caixão no Brasil e como Coffin Joe no exterior. Este filme de baixo orçamento e mal-acabado é suportado por uma boa história e atuações do elenco com bastante paixão, diálogos com blasfêmias e muito sangue. mais ainda, este filme está muito à frente do tempo, com uma história perturbadora para 1964 e recomendada apenas para audiências muito específicas.

Para maiores detalhes deste filme, ver o link e o trailer abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0059440/usercomments-40

Olhos Azuis – Imigração, Sonhos, Intolerância, Preconceito, Racismo, Ódio, Desconfiança, Arrependimento e Busca por Redenção

22 de junho de 2011

(****1/2)

No seu último de trabalho antes da aposentadoria compulsória, o preconceituoso e amargo Chefe de Alfândega e Proteção da Fronteira Norte Americana Marshall detém um grupo de imigrantes latinos no aeroporto. Enquanto os oficiais Bob Estevez e Sandra entrevistam os imigrantes para investigar a intenção real para vir para os Estados Unidos, o alcoólatra Marshall os humilha com seu racismo e intolerância.

 

Quando o brasileiro Nonato, que mora nos Estados Unidos há dez anos e proprietário de uma pequena empresa de quentinhas para operários, apresenta seus documentos legais para provar que está voltando para os Estados Unidos após visitar sua filha no Brasil, o abusivo Marshall não aceita sua documentação e o degrada com humilhações, inclusive de sua vida privada. Nonato discute com Marshall e tem uma crise nervosa que leva a situação à uma tragédia.

Marshall é preso e solto anos depois, terminal com um tumor nos rins. Ele viaja para o nordeste do Brasil, para procurar a filha de Nonato, Luíza. No Recife, ele conhece a jovem prostituta Bia que concorda em viajar com ele para Petrolina, onde Luíza vive, em uma busca por redenção.

Olhos Azuis” é um dos melhores filmes brasileiros que eu vi recentemente, com uma história de imigração, sonhos, intolerância, preconceito, racismo, ódio, desconfiança, arrependimento e busca por redenção. O diretor José Joffily conta no Making Of que esta história é parcialmente baseada em eventos reais, de problemas com a imigração americana que viajantes e imigrantes se depararam,

O roteiro não-linear mantém a atenção do espectador até a última cena. As atuações são fantásticas com um elenco norte-americano, brasileiro e argentino. Os diálogos amargos são magníficos, e este filme é um bom exemplo para aqueles que acreditam que morar no no exterior é fácil. No final, os olhos azuis de Marshall e de Luíza mostram que todos somos iguais, não importando onde tenhamos nascido.

Para maiores detalhes deste filme, ver o link e o trailer abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt1552436/usercomments-1

A Praia do Pecado – Tão Risível e Tosco que se Torna Divertido

12 de junho de 2011

Quando a prostituta Rosely é esfaqueada sete vezes na Boca do Lixo, seu cliente Manoel é acusado do assassinato. Contudo, o advogado de defesa Gabriel Reis defende Manoel, que é solto livre das acusações. Gabriel descobre que o assassino é Pé de Anjo, que foi morto com uma simulação de suicídio por ordem de Jairo Korfi. Jairo é um poderoso traficante de brancas e de drogas, além de possuir bordéis, e ele quer recuperar documentos que o inciminam e que estavam em poder de Rosely. Entretanto, ela entregou estes documentos à Gabriel pouco antes de morrer. Agora o advogado está usando estes documentos para sua própria proteção.

O amigo de Gabriel, Sérgio, possui uma construtora no litoral e convida Gabriel para trabalhar com ele. Gabriel é apresentada à noiva de seu amigo, Lúcia, e à amiga deles Wilma, e eles tem um caso amoroso. Quando o mestre de obras da companhia é encontrado assassinado, o operário João Nestor assume o crime. Porem Gabriel está certo que o violento operário Avelino é o assassino e o aperta.

Avelino atira nele no peito e quando Gabriel está recuperado, ele descobre que o mestre era um agente federal que estava investigando Jairo Korfi. Gabriel deixa o hospital namorando a esposa de Avelino, Odete. Neste meio tempo, Jairo Korfi descobre a verdadeira origem de sua filha adotiva Lídia.

A Praia do Pecado” é um filme tão risível e tosco que se torna divertido. A história é uma completa confusão e piegas, e é engraçado ver Gabriel ser baleado no peito em uma cena e apaixonado por Odete e lutando contra Avelino quando ele vai para a casa do criminoso como a mulher dele na cena seguinte. Ou as revelações novelescas de Netinho para seu chefe Jairo sobre sua filha Lídia e as reações de Lídia e Jario Korfi.

A atuação do canastrão Oasis Minniti é hilária e é irritante a dublagem das cenas externas. Apesar das inúmeras falhas, “A Praia do Pecado” é uma das melhores produções da má-afamada Boca do Lixo.

Para maiores detalhes deste filme, ver o link abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0273993/usercomments-1

À Flor da Pele – Uma Relação Tensa e Destrutiva

5 de junho de 2011

(***1/2)

Em São Paulo, o professor de dramaturgia, estudioso em Shakespeare e escritor de novelas Marcelo Fonseca tem um casamento monótono com sua esposa Isaura, com quem ele tem uma filha. Quando ele conhece a instável e mimada estudante Verônica Prado, eles tem um tórrido e destrutivo caso amoroso. Marcelo não tem coragem suficiente para pedir o desquite de sua esposa, e sua relação disfuncional com Verônica se deteriora devido ao temperamento explosivo e egoísta de Verônica.

 

Quando Verônica e seu amigo Toninho são reprovados por Marcelo, Verônica fica bêbada e enfrenta seu pai. Ele dá uma surra nela e Verônica, que está grávida de Marcelo, perde o bebê. Ela se vinga e conta para Isaura sobre seu romance com seu marido. Isaura tenta se suicidar e se separa de Marcelo.

Marcelo é despedido da universidade e se muda para uma outra cidade, e Verônica é expulsa da universidade e fica sozinha com suas recordações de Marcelo.

À Flor da Pele” é um filme brasileiro sobre um relacionamento tenso e destrutivo entre um professor e sua aluna que fez muito sucesso. Em 1976, este filme teve uma bilheteria de 400.000 espectadores, o que é significativo em termos de um filme brasileiro.

Mais ainda, este filme foi premiado no Festival de Gramado nas categorias de Melhor Filme; Melhor Atriz, com Denise Bandeira; e Melhor Roteiro, com Francisco Ramalho Jr. Denise Bandeira também foi premiada no X Festival Air France de Cinema.

O diretor Francisco Ramalho Jr. mantém o clima de tensão, com o casal tendo uma relação nos extremos e à flor da pele. Juca de Oliveira e Denise Bandeira estão perfeitos, com grandes atuações e mostrando uma química maravilhosa.

Para maiores detalhes deste filme, ver o link e a cena abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0137283/usercomments-1

O Cangaceiro – Um dos Melhores Filmes do Cinema Brasileiro

5 de junho de 2011

(*****)

No tempo dos cangaceiros no sertão do Brasil, o cruel Capitão Galdino Ferreira e seu bando seqüestram a professora Olívia, esperando receber um resgate por ela. Contudo, um de seus homens, Teodoro, se apaixona pela moça e foge com ela pelo árido sertão, perseguidos pelos cangaceiros.

Ao longo da jornada, Olívia também se apaixona por Teodoro e propoem que ele deixe o sertão e se mude para a cidade. Mas Teodoro também ama sua terra e diz que ele gostaria de morrer no sertão onde ele nasceu.

 

O Cangaceiro” é um dos melhores filmes do cinema brasileiro e o melhor produzido pela Companhia Cinematográfica Vera Cruz.

 

Este filme foi escrito e dirigido por Lima Barreto, com diálogos de Rachel de Queiroz e inspirado na história do cangaceiro Lampião e seu bando. A fotografia em preto e branco é belíssima, com uma magnífica introdução com os cangaceiros mostrados contra a luz.

 

Em 12 de maio de 1953, “O Cangaceiro” venceu o Festival de Cannes na categoria Melhor Filme de Aventura. Na maravilhosa trilha sonora, destaca-se “Olê Muié Rendeira”, interpretada pro Vanja Orico.

 

De acordo com a Wikipedia, este filme foi distribuido pela Columbia Pictures e vendido para oitenta (80) países, sendo exibido nos cinema da França durante cinco anos consecutivos.

 

Para maiores detalhes deste filme, ver o link e a cena abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0045595/usercomments-8

http://www.dailymotion.com/video/xadurn_o-cangaceiro_music

Nos Tempos da Vaselina – Bobo, Vazio mas Nostálgico

4 de junho de 2011

(**1/2)

Em Macacu, o caipira Onofre recebe uma carta de seu primo Paulinho convidando-o para viajar para o Rio de Janeiro para curtir a Cidade Maravilhosa. Quando o ingênuo Onofre chega na rodoviária, ele tem as malas roubadas e é enganado por um motorista de taxi. Sem dinheiro, ele tem que dormir na rua e pedir comida, pois o endereço de Paulinho estava dentro da mala roubada. Quando Onofre conhece Carlinhos Lyra, que está tomando café em um bar, o músico fica com pena dele e usa a televisão para encontrar Paulinho.

 

Onofre é bem recebido por Paulinho e seus amigos da Praia de Ipanema, mas o recém-chegado é desajeitado e é ridicularizado pela turma. Entretanto, Onofre fica com Dadá e com a paquera de Paulinho, Patricia, e as outras garotas acreditam que ele seja bom de cama. Neste meio tempo, Onofre aprende a dançar em uma academia com a professora Liz. Quando ele conclui o curso, ele convida  Liz para ir com ele à New York City Discoteque.

 

Andre e seus smigos ficam com ciúmes e acreditam que Onofre é uma ameaça para eles. Quando Martinha, uma garota super-protegida por seu dois irmãos musculosos, convida Onofre para sua festa de aniversário com seus pais e família, Andre e seus amigos planejam enganar Onofre para se verem livres dele.

 

Nos Tempos da Vaselina” é uma comédia boba e vazia, com personagens estereotipados e comportamentos egoístas. O cruel tratamento de Andre e seus amigos de Ipanema é desprezível, mas totalmente crível pois se aprontava muito naquela época. Contudo, há muitas tomadas externas e é nostálgico para aqueles como eu que viveram aqueles anos no Rio de Janeiro rever a boate da moda New York City Discoteque ou as praias e ruas do Rio de Janeiro em 1979.

Mais ainda, o elenco tem algumas das mulheres mais desejáveis dos anos 70 e 80, se destacando a bela Kate Lyra que infelizmente não se desnuda ao longo da história.

O título é uma oportunista brincadeira com “Grease – Nos Tempos da Brilhantina”, de 1978. Por último, há uma breve participação dos jogadores Paulo Cesar Caju e Gil.

Para maiores detalhes deste filme, favor ver o link e o trailer abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0241775/usercomments-1

http://www.vidyomatik.com/watch_video.php?v=8f62197975e0c0f

10ª Edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro – 31 de maio de 2011 – Lista dos Premiados

1 de junho de 2011

Melhor Curta-Metragem de Animação: “Tempestade”, de Cesar Cabral

Melhor Curta-Metragem Documentário: “Geral”, de Anna Azevedo

Melhor Curta-Metragem de Ficção: “Recife Frio”, de Kleber Mendonça Filho

Melhor Longa-Metragem Estrangeiro: “O Segredo Dos Teus Olhos” (Argentina / Espanha), de Juan José Campanella

Melhor Efeito Visual: Darren Bell, Geoff D. e. Scott E Renato Tilhe, por “Nosso Lar”

Melhor Longa-Metragem Infantil: “Eu e Meu Guarda-Chuva”, de Toni Vanzolini

Melhor Figurino: Kika Lopes, por “Quincas Berro D’água”

Melhor Maquiagem: Rose Verçosa, por “Chico Xavier”

Melhor Direção de Arte: Adrian Cooper, por “Quincas Berro D’água”

Melhor Som: Alessandro Laroca, Armando Torres Jr. e Leandro Lima, por “Tropa de Elite 2″

Melhor Trilha Sonora: Guto Graça Mello, por “O Homem Que Engarrafava Nuvens”

Melhor Trilha Sonora Original: Jaques Morelenbaum, por “Olhos Azuis”

Melhor Montagem Ficção: Daniel Rezende, “Tropa de Elite 2″

Melhor Montagem Documentário: Raphael Alvarez, por “Dzi Croquetes”

Melhor Fotografia: Lula Carvalho, por “Tropa De Elite 2″

Melhor Longa-Metragem Documentário: “O Homem Que Engarrafava Nuvens”, de Lírio Ferreira

Melhor Atriz Coadjuvante: Cassia Kiss, por “Chico Xavier”

Melhor Ator Coadjuvante: André Mattos, por “Tropa de Elite 2″, e Caio Blat, por “As Melhores Coisas Do Mundo”

Melhor Roteiro Original: Braulio Mantovani e José Padilha, por “Tropa de Elite 2″

Melhor Roteiro Adaptado: Marcos Bernstein, por “Chico Xavier”

Melhor Atriz: Glória Pires, por “Lula, O Filho do Brasil”

Melhor Ator: Wagner Moura, por “Tropa de Elite 2″

Melhor Direção: José Padilha, por “Tropa de Elite 2″

Melhor Longa-Metragem de Ficção: “Tropa de Elite 2″, de José Padilha

Voto Popular – Melhor Longa-Metragem Estrangeiro: “A Rede Social”, de David Fyncher

Voto Popular – Melhor Longa-Metragem Documentário: “Dzi Croquetes”, Tatiana Issa e Raphael Alvarez

Voto Popular – Melhor Longa-Metragem Nacional: “Tropa de Elite 2″, de José Padilha

10ª Edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro – 31 de maio de 2011

31 de maio de 2011

Lista dos indicados ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

Melhor Longa-Metragem:
- “5x Favela – Agora por nós Mesmos”
- “Chico Xavier”
- “As Melhores Coisas do Mundo”
- “Olhos Azuis”
- “Tropa de Elite 2″
- “Viajo porque Preciso, Volto porque te Amo”

Melhor Documentário:
- “Dzi Croquettes”
- “O Homem Que Engarrafava Nuvens”
- “José e Pilar”
- “Noite em 67″
- “Rita Cadillac – A Lady do Povo” 

Melhor Direção:
- Daniel Filho – “Chico Xavier”
- José Joffily – “Olhos Azuis”
- José Padilha – “Tropa de Elite 2″
- Karin Ainouz e Marcelo Gomes – “Viajo porque Preciso, Volto porque te Amo”
- Laís Bodanzky – “As Melhores Coisas do Mundo” 

Melhor Atriz:
- Alice Braga – “Cabeça a Prêmio”
- Christiane Torloni – “Chico Xavier”
- Ingrid Guimarães – “De Pernas pro Ar”
- Glória Pires – “Lula, o Filho do Brasil”
- Marieta Severo – “Quincas Berro d’Água” 

Melhor Ator:
- Ângelo Antonio – “Chico Xavier”
- Chico Diaz – “O Sol do Meio-Dia”
- Marco Nanini – “O Bem Amado”
-  Nelson Xavier – “Chico Xavier”
- Paulo José – “Quincas Berro d’Água”
- Wagner Moura – “Tropa de Elite 2″ 

Melhor Atriz Coadjuvante:
- Cássia Kiss – “Chico Xavier”
- Denise Fraga – “As Melhores Coisas do Mundo”
- Elke Maravilha – “A Suprema Felicidade”
- Leandra Leal – “Insolação”
- Roberta Rodrigues – “5x Favela – Agora por nós Mesmos”
- Tainá Muller – “Tropa de Elite 2″

Melhor Ator Coadjuvante:
- André Mattos – “Tropa de Elite 2″
- André Ramiro – “Tropa de Elite 2″
- Caio Blat – “As Melhores Coisas do Mundo”
- Cassio Gabus Mendes – “Chico Xavier”
- Hugo Carvana – “5x Favela – Agora por nós Mesmos”
- Irandhir Santos – “Tropa de Elite 2″ 

Melhor Roteiro Original:
- Braulio Mantovani e José Padilha – “Tropa de Elite 2″
- Bruno Mazzeo, João Avelino e Rosana Ferrão – “Muita Calma nessa Hora”
- José Antonio da Silva e outros – “5x favela – Agora por nós Mesmos”
- Karim Ainouz e Marcelo Gomes – “Viajo porque Preciso, Volto porque te Amo”
- Luiz Bolognesi – “As Melhores Coisas do Mundo”
- Marcelo Saback e Paulo Cursino – “De Pernas pro Ar”
- Melanie Dimantas e Paulo Halm – “Olhos Azuis”

Melhor Roteiro Adaptado:
- Adriana Falcão, Bernardo Guilherme e Outros – “Eu e Meu Guarda-Chuva”
- Claudio Paiva e Guel Arraes – “O Bem Amado”
- Esmir Filho e Ismael Caneppelle – “Os Famosos e Os Duendes da Morte”
- Marcos Bernstein – “Chico Xavier”
- Sérgio Machado – “Quincas Berro d’água”
Melhor Curta-Metragem de Ficção:
- “Alguém Tem Que Honrar Esta Derrota”
- “Avós”
- “Eu Não Quero Voltar Sozinho”
- “Ensaio de Cinema”
- “Recife Frio” 

Melhor Curta-Metragem Documentário:
- “Ave Maria ou Mãe dos Sertanejos”
- “Dois Mundos”
- “Faço de Mim O Que Quero”
- “Geral”
- “Urbe” 

Melhor Curta-Metragem de Animação:
- “Anjos do Meio da Praça”
- “Bonequinha do Papai”
- “Eu Queria Ser um Monstro”
- Menina da Chuva”
- “Tempestade” 

Melhor Longa-Metragem Estrangeiro:
- “A Fita Branca” (Alemanha), de Michael Haneke
- “A Origem” (EUA), de Christopher Nolan
- “O Pequeno Nicolau” (França), de Laurent Tirard
- “A Rede Social” (EUA), de David Fincher
- “O Segredo Dos Teus Olhos” (Argentina / Espanha), de Juan José Campanella.

Eu torço por “As Melhores Coisas do Mundo“, de Laís Bodanzky na categoria Melhor Longa-Metragem e “O Pequeno Nicolau” (França), de Laurent Tirard, na categoria Melhor Longa-Metragem Estrangeiro.

O Convite ao Prazer – Um dos Dramas Eróticos mais Sexy do Cinema Brasileiro

30 de maio de 2011

(***1/2)

O dentista Luciano faz sexo após o horário de trabalho com Sonia, na cadeira de dentista. Inesperadamente, seu antigo amigo Marcelo aparece em seu consultório com um problema no dente, e Luciano o convida para fazer sexo com Sonia, que é na verdade uma garota de programa. Marcelo e Luciano não se vêem há vários anos, e Luciano conta que ele ainda está casado com Anita e que a ama. Marcelo conta que ele está casado com Ana e que já está entediado com seu segundo casamento. Em retribuição, o rico Marcelo convida Luciano para vir à seu apartamento de programa para se encontrar com mulheres na tarde seguinte. Luciano mente para Anita e diz que precisa ir ao médico.

 

No dia seguinte, Marcelo recebe a visita de sua filha na hora em que está trabalhando com suas secretárias Laura e Ms. Harriet. A garota pede para seu pai dar um emprego pra sua amiga Gina, que precisa trabalhar, e Marcelo a contrata para fazer traduções. Depois ele se encontra com Luciano e traz a prostituta Mariana para seu amigo e depois duas garotas de programa para eles. Luciano chega tarde em casa e Anita acha o seu comportamento estranho.

 

Na manhã seguinte, a empregada Dora informa Luciano que Anita viajou para visitar sua mãe. Luciano marca um novo encontro com Marcelo, que traz Harriet, Laura e Gina para fazerem sexo com eles. Entretanto, Anita seguiu Luciano com sua amiga e descobre a verdade sobre o apartamento de Marcelo, tramando uma vingança contra seu marido infiel.

 

O Convite ao Prazer” é um dos dramas eróticos mais sexy do Cinema Brasileiro que eu vi até hoje, com as atrizes e modelos mais deliciosas dos anos 80 no elenco: Helena Ramos, Kate Lyra, Aldine Muller, Nicole Puzzi, Rossana Ghessa, Sandra Bréa e Patrícia Scalvi, entre outras, estão todas no auge de suas belezas.

 

Mais uma vez os diretor Walter Hugo Khouri apresenta personagens com problemas existenciais, com Helena Ramos no papel de um personagem forte e os dois homens falhos, destrutivos e voltados apenas para sexo. Marcelo tem dinheiro, mas é cínico e sórdido, preenchendo o vazio de sua vida com sexo, ao passo que Luciano trai sua esposa, a quem ama, sem nenhuma outra razão a não ser ter sexo com mulheres diferentes. A cena de sexo com a bela Kate Lyra está entre as mais eróticas do cinema nacional.

Para maiores detalhes deste filme, ver o link e a cena abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0189443/usercomments-1

As Deusas – Mais um Filme Bonito e com Classe de Walter Hugo Khouri

27 de maio de 2011

(****)

Ângela deixa São Paulo com seu companheiro Paulo Mendes para a casa de campo de sua psiquiatra Dr. Ana em um lugar calmo e tranqüilo no interior seguindo recomendações médicas. Ângela é uma mulher angustiada e instável, e já tentou se suicidar e é muito dependente da Dr. Ana.

 

O casal chega em um bonito lugar e logo Ângela pede à Paulo para chamar Ana para vir para a casa e ficar com ela até o dia seguinte. Ana conversa com Paulo e conta que Ângela nunca ficará totalmente curada, apenas irá melhorar sua condição mental.

Ao longo dos dias, Paulo tem uma relação sexual com Ana, que se torna mais fraca que Ângela, em uma estranha transferência de sentimentos e emoções.

 

As Deusas” é mais um filme bonito e com classe de Walter Hugo Khouri, um diretor e escritor que é visivelmente influenciado por Ingmar Bergman e Michelangelo Antonioni e que tem um gosto musical refinado. Seus personagens geralmente são intimistas e sofrendo de crises existenciais, e seus filmes sempre apresentam um erotismo nunca vulgar. As histórias fazem pensar e ocorrem na caótica São Paulo, a cidade onde ele nasceu e morreu; As mulheres são sempre belas e personagens fortes; e os homens são seres com falhas e destrutivos, sempre voltados para o sexo.

Lilian Lemmertz e Kate Hansen estão incrivelmente belas e a cena no lago é de um maravilhoso bom gosto. Há uma fala no filme, onde Ângela questiona como elas estarão em trinta anos, mortas ou velhas, e ironicamente a atriz Lilian Lemmertz morreu de ataque cardíaco em 1986.

 

A trilha sonora, com Rogério Duprat, Mozart, Billie Holliday e Duke Ellington, entre outros, é fantástica e dá um toque de classe a mais neste filme. Por ultimo, Walter Hugo Khouri é recomendado apenas para espectadores que apreciem filmes de arte lentos.

Selecionei estas fotos das sereias, ou melhor, deusas, se banhando:

Para maiores detalhes, ver o link e as trilhas abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0189477/usercomments-2


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 88 outros seguidores